Archive for June, 2009

“Aih a garrafa criou asas” ou “Receita para tomate torrado”

June 28, 2009

Esta noite me comecou otima, resolvi meu amor com meu amor (brigas, inseguranca, coisas normais de casal), fiz uma otima moqueca de cogumelos com farofa de farinha de rosca (mas da grossa!), e estava bem, bebendo e batendo papo com um novo amigo de Senegal, quando chega um grupo de amigos Thailandases. Todos muito legais, muito simpaticos, sirvo-os (natural, eu sei de tudo no lugar) e eles ja acham que sou o dono. Dou uma de “jonny-armless” e deixo rolar.

Aqui no “pico” tem uma mesa de billiard (snooker, sinuca…) excelente e os caras estartaram a jogar. Mas eu, muito me sentindo em casa, iria jogar antes se nao tivesse que fazer alguma coisa, tipo mudar a musica ou olhar a torta no forno, sei lah, soh sei que “os cara usaram minhas moeda” , aih entrei no jogo, logico. E eh logico que perdi todas as vezes, exceto a primeira,que foi por pura sorte. Maravilha, perdi alguns bath mas ganhei alguns amigos, pra mim valeu.

2 da manha. Termino de fazer mais um teste de uma torta de chocolate que minha ex-sogra (a segunda) faz deliciosamente bem (e nunca vou conseguir fazer igual). Fiz com a Anna, a alema, namorada do panamenho. Ela fica me chavecando e tirando casquinha porque sabe que eu sou amigo do seu namorado e tenho namorada, portanto se aproveita da situacao. Eu deixo porque no fundo acho divertido, e eh bom se sentir bonitao de vez em quando. Termino a torta, tento fazer o melhor chocolate meio-amargo do mundo –digo fazer pois foi a partir do cacao em poh, agua, acucar, ovo, manteiga…- e dah certo!, todos reclamam que falta acucar, amargo pacas, mas muito bom.

2 e quinze chegam Jessica e Shana, ainda com o uniforme de paramedicas, radinho ligado, pedindo um cerveja “pelo-amor-de-deus”. Hoje a noite foi 50/50,  um morto, um vivo.

Shana e de londres, esta a qui a pouco tempo se dividindo entre dar aulas de ingles e ser paramedica. Negra bonita, muito simpatica, vive sorrindo e sabe groovear no hip-hop muito bem. A Jessica, a cada dia vejo como eh especial, cada dia eh uma novidade. Ela eh a alema de pais brasileiros, colonos de Novo Hamburgo. Disse-me que quando passou um tempo em Barcelona, viu uma troupe de sambistas e quis se juntar. Parece que ela sambava melhor do que as brasileiras.

“U know, (they)don’t seem brasilian, they are whites, with  kind of nouse…”

“Italian u mean?”

“yeah!”

“From Sao Paulo, no doubt.”

Imagine as caras das paulistas olhando a alema sambando mais do elas? E ela danca bem, acho que o gingado esta nos genes…

Bebemos, conversamos, o Yuval me deu a explicacao vegetarianista da expressao “comer a carne do filho com o leite da mae”, nada de mais, somente puxando a sardinha para o sofrimento animal, dizendo que o kosher tambem era o “bem tratar” (ou seria tartar?) dos animais…

O povo foi indo, eu fui ficando… fizemos uma sessao de groove, buscamos instrumentais e grooveavamos em cima. Ate eu fiz, falava qualquer coisa, falava em portugues e ninguem entede picas mesmo, soh tinha que me manter no ritmo e dizer iou, arram, arram, yep, yep e seguir em frente. Diversao plena.

O MC thai mandava bem a bessa, era uns dos que chegaram pra sinuca. Ficamos amigos, mostrei Racionais pra ele, que nao deu minima. Resolvo ferventar no molho de tomate jah feito pra lasanha do dia proximo e tomar a ultima cerveja saideira quando o MC resolve me ensinar thailandes. Isso jah eram 5 e meia, dia nascendo e eu aprendendo thai, na porta do bar, com o MC e o amigo senegales.

Aih comeca.

Eh impressionante como uma sequencia de eventos simples se encaminha para o caos facilmente. Basta botar um ser humano no meio. Botou dois entao, ha!

Enfim, sequencia de eventos:

SEQ 1 externa, alvorada

Chi, Nil e ning-no sentados na porta do bar. Chi olha ao longe e cruza os olhos com um homem que faz xixi no canteiro da rua. O homem termina seu xixi e caminha pela rua em direcao aos tres. Chi, como eh muito curioso e futriqueiro, olha de vez em quando para o homem que pede uma bebida. O homem toma coragem e resolve se aproximar do grupo.

SEQ 2 externa, alvorada

Chi olha o homem que se aproxima pedindo uma bebida, imediatamente responde “mai, mai” agitando freneticamente o maos na altura da cabeca. Ning-no, o unico thai do grupo, se vira pra saber que estava sendo rechassado. Iniciam uma conversa. Algo eh dito sobre farang e dinheiro, o tom comeca a mudar, chi e nil, apesar de gringos, entende o que significa.

SEQ 3 externa, dia

Os thais a essa hora ja estao discutindo. Gesticulam, projetam sons que aos ouvidos dos gringos podem soar como qualquer coisa, de brigas a declaracoes de amor. Mas o corpo fala mais alto e tudo fica claro. Tem coisas que sao universais. Garrafa nao mao de bebado discutindo eh um perigo.

SEQ 4 externa, dia –Detalhe

Garrafa voa e espatifa no chao entre o homem-desconhecido e chi.  Errou a mira ou nao quis, soh se sabe que a proxima coisa seria a cadeira se chi nao tivesse entrado no meio e segurado o doido.

SEQ 5 externa, dia

Chi vai tentar falar ao homem-desconhecido que va embora. Quando olha pra tras, cade o thai doido? “fugiu correndo”, diz nil. Chi viu o homem correndo em furia pela rua. Pronto, era o que faltava, o doido do MC vai buscar uma arma pra resolver o problema ali, na lata, ou no cano.

SEQ 6 ext, dia

Chi pega o desconhecido e toca da frente do bar falando em sua propria lingua “ na porta da minha casa nao! Querem se matar, o facam na esquina!”, enxotando o homem que sai dizendo que avisara a policia..

SEQ 7 ext, dia

Volta ning-no irado com a mao sob a blusa.

SEQ 8 externa/interna, dia

E por aih foi.

Eh engracado o que me passa pela cabeca nessas horas, talvez nao passé muita coisa e por isso deveria tomar um cuidado extra porque, afinal, os herois morrem cedo. Sei que vi a cena, que ja vi outras vezes em Sao Paulo e na Bahia tambem (lembra ma?),  fui e abracei o doido, segurei sua mao e o levei pra dentro do bar. O doido tava doido mesmo, na hora nao entedeu muito, mas aceitou. Entramos, ofereci uma torta de chocolate, que ele detestou, mas foi bom que mudamos de assunto.

Foi quando sinto um cheiro de carvao vindo da cozinha.

SEQ 9 interna, dia

No final termina tudo bem, da fogueira boa parte da bruxa se salvou, o doido apaziguou geral depois que chi perdeu mais duas partidas de sinuca pra ele. O doido, que jah era manso, saiu feliz da vida. Nil foi dormir e chi foi tomar sua ultima saideira.

Advertisements

Ale and the Pussycats

June 13, 2009

Foi assim. Me inscrevi no facebook por causa da competicao Brasil-Francia, la dentro encontrei o Dalmo que me conta de uma amiga dele que morava aqui. Entrei em contato com aquele pensamento de “por que nao?” ela me passou seu telefone e eu liguei. Eu ja tinha estranhado a foto tratada e maquiada no facebook mas estranhei mesmo quando marcamos de nos encontrar. Ela me contando que era modelo aqui fazia 3 anos quase, me chama par air ao bar onde os modelos vao, pois possuem uma carteirinha a qual nao pagam nem pra comer nem pra beber. Passou-me o endereco e fui. Quase do outro lado da cidade. Se khao san eh a passarela do alcool, sukhomvit eh a mistura de augusta com jardins.

Tinha o endereco e o nome do restaurante: koi. 45min de taxi depois (foi uma fortuna, 100 bath, +-3 dolares…) cheguei a frente do restaurante. Entrei um pouco timido e a hostess ja me intimou. Voce veio pra festa? Antes que pudesse responder,ela me leva pra area vip e me fecha la. Olho em volta, uma festa de aniversario, um monte de adultos, uma criancinha. E era dela a festa. Me sinto um peixe dentro do aquario quando de for a vejo alguem me chamando, era a Ale.

Fiquei pensando se eu reconheceria, como sera que ela me reconheceria? Tenho cara de brasileiro?

“Tinha cara de perdido, ela me disse. O Jeff que te reconheceu.”

Me veio ela com um sorriso lindo e bem brasileiro. Sentamos e nos pusemos a conversar.

Muitas coisas comecaram a se dissipar depois dai. Primeiro eh aquele certo ranso com as (os) modelos. Outras coisas soh confirmaram o que pareciam. O mundinho da moda eh mundinho mesmo, nao importa em que parte do mundo voce se encontre, baladas, drogas, aparencias, puxa-saquismos… Mas as modelos brasileiras quando perdidas pelo mundo sao bem legais. E a Ale ainda eh especial. Tem um certa liberdade sedutora muito interessante, que poucas vezes eu vi, mas geralmente sao advindos de familias diferentes… sabe esse coisa de pegar e ir? Ela eh daquelas que pega e vai. Sua mae-vo ficaria muito orgulhosa de ve-la vivendo aqui.

Ate a pagina 5, logico, tem coisas que nem eu conto pra familia…

Noutro dia ela me chamou para uma festinha, aniversario do dono da agencia. Cheguei la e logo fui apresentado a outra modelo, recem-chegada, 2 dias, e completamente perdida. Sabe filhote no primeiro dia de casa nova? Pois eh, e ainda nao falava nada de ingles. Tentei faze-la se enturmar, traduzia alguma coisa que ouvia, mas ela eh muito nova  ainda, muitos medos. Precisa cair no mundo um bom bocado ainda….

Aih a cena era essa: o dono, muitas modelos em volta dele, ucranianas, americanas, alemaes, tailandesas poucas, os amigos do dono, todos gordinhos e feios, e mais afastado, no fim da mesa, o gueto brasileiro. Leia-se por gueto brasileiro eu, Ale, a outra modelo, que veio do Para, Jeff, namorido da Ale e Potsi, seu amigo.

Posti eh outra figura de extrema liberdade, grande, gordo, muito engracado. Ele eh um astro pop por aqui, fez programas no estilo jackass pra tv da asia, tem uma tattoo de biquini fio dental na bunda que eh impressionante, principalmente naquele corpao dele. Pode parecer ameacador na primeira olhada mas depois se revela um ursao de pelucia.

Esses tres, Ale, Potsi e Jeff me mostraram um dos lados restantes da vida por aqui. A das baladas ricas de bkk, regadas a tequila, wiskie, musica pop eletronica e…

Tem certas coisas que nao se conta nem pros amigos…

Ficamos amigos bem rapidos e ja pensamos em fazer um projeto pra tv daqui juntos. O casal vai pros esteites logo mais. Quando voltarem, se tudo der certo, comecamos o projeto.

Vendo os dois felizes na balada me da uma saudade do meu docinho… como quando vejo criancas aqui e me divirto com elas, e me bate saudades da minha peque-Nina…

Eh duro sacrificar coisas que gosta pra cair no mundo.

Eu e a Ale que sabemos bem disso.

Me livrando da Khao San e outras historias

June 11, 2009

Rapidinha

Peguei dengue e parei. Parei de me mover, de me alimentar…parei com tudo. Eh… foi quase isso. Me entupi de tilenol esperando passar a “gripe” que nao passava quando surgiu manchas vermelhas no meu braco. Aih nao teve jeito, tive que ir ao medico, ja era o quinto ou sexto dia de “gripe”.

IMG_1227

dengue examFoi ate facil passar pela dengue (agora que ela passou). Meti-lhe um monte de tilenol e dormi uma senama quase. nao dormi exatamente, mas foi o que mais fiz. montei o computador no terraco e fiquei vendo filme e comendo. Comi pra burro, sopa, porco frito, frango frito, pao, todinho gigante, red bull  pra me motivar a fazer alguma coisa, como escolher um novo filme para ver… mesmo me forcando a ver o que ja tinha visto. sorte minha era que havia bons filmes por aqui…

Nao tive diarreia nem vomito… apenas  aquela vontade de nao fazer nada…

bem, voltando a minha atualizacao dos fatos.

O Holandes

O holandes eu conheci no Reggae Bar. Figura sorridente, fosse brasileiro seria um autentico maluco de BR, diferente do amigo de gana ao seu lado, todo arrumadinho no seu estilo africano descolado.

Ele era autentico por si. E sabia disso. Em 5 min de conversa ja me mostrou o braco menor que o outro, a qual parte se fora em alguma das varias historias de Guerra que me contou. Uma delas era que vivia agora no centro do sri lanka, numa “terrinha” dele, mas com o inicio dos conflitos na regiao, ele teve que sair, estavam bombardeando tudo, vila, fazenda, tudo.  Veio a Bangkok dar uma “banda” para voltar depois da poeira baixar um pouco… ele me contou varias historias malucas, todas verdadeiras, todas ficticias, seus passados de militar a servico da coroa…

Com ele falavamos desta falencia que era a khao san road quando ele me conta de um bar que havia um pouco longe dali, do outro lado do rio. Pagamos a conta e sai feliz por me afastar de khao san mais uma vez.

Ficamos amigos bem rapido, foi divertido. Pena que perdi seu contato no telefone que se foi mais ou menos no fim desta historia…

The Overstay

tuktuk over overstay

Pegamos um tuktuk, eu, o holandes, o bom moco de gana e sua bicicleta. Quando chegamos no bar ja logo me senti em casa. Havia um certo ar de gambiarra que sempre me encanta em muitos lugares, na asia inteira, por sinal, a despeito de Singapura, ate agora, e alguns lugares da Malasia. Mas nao toda.

Enfim, aquela gambiarra no ar, no chao, nas paredes. Mas o ambiente era otimo, e as pessoas tambem. O dono eh um israelense casado com uma taiwanesa, no bar soh tinha backpackers de bem com a vida, sentados no chao, bebendo e rindo. Vi varias bandeiras desenhadas nas paredes e tratei de desenhar a minha (nessas horas me bate um bairrismo…) e o melhor ate agora: eu podia por a minha musica. Adorei.

Melhor ainda quando ele me mostrou o resto do local, um andar com quartos que ele aluga, outro com uma galeria de arte e cinema (projetor de video), outro andar chamado de quarto comunal, onde voce pode ficar de graca, mais um andar de quartos e o ultimo, um terraco onde podemos simplesmente ficar de boa.

Ah! Ainda tinha uma cozinha, boa ate, grande. Soh nao pode cozinhar carne, ele foi bem claro, o israelense. Tudo bem, posso sobreviver com essa falta, um pouco. Peguei minhas coisas em khao san no dia seguinte e me mudei praquele estranho kibuts. e meu telefone ficou em lugar no meio do caminho…

ja na primeira noite perguntei se poderia cozinhar, ele disse que precisava ser para 20 pessoas, sem problemas eu disse, brasileiro tem familia grande e aquele cunhado que ninguem sabe de quem eh irmao mas come pra burro. ele nao entendeu muito bem a piada, duvidou dos dotes brasucas e propos uma competicao culinaria: Franca versus Brasil, achei otimo. a vinganca de 98.  Arrasamos com eles, eu e o outro brasileiro que achei aqui, kaloam, fizemos uma torta de alho-poro, colve refogada, arroz e muqueca de cogumelos com abobora. eles fizeram ratatoille com pasta. ganhamos de longe, eles deram o veredito antes da comida ir pra mesa. Foi goleada.

Agora virei chef da casa, e tudo praticamente passa por mim antes, as vezes dou pitaco, as vezes somente olho, as vezes invento de novo.

feijoada quase completa

Fiz uma feijoada de baby corn, aspargos, brocolis, cogumelos… o feijao preto foi presente da minha nova grande amiga Ale, no proximo post falo dela…

IMG_0661

Eh um ambiente bem doido o “The Overstay”. Fala-se todas as linguas dentro do velho predio situado um pouquinho na periferia, mas perto do centro, da cidade. Andando pelas ruazinhas ao redor acha-se casinhas comuns, comercios comuns, inumeros seven eleven’s , templos comum, nenhum turista, pouquissimos ou nenhum gringo. E o regime no antigo predio eh mais ou menos assim: a maioria dorme de graca no quarto communal ou no terraco. No terreo existe internet livre, portanto que tem computador faz a gentileza de deixar seu computador nas mesas para que outros possam usar a net tambem. E todos fazem isso. Eu inclusive. Todos ajudam em tudo, bartender, dj, limpando algo ou repondo a geladeira. Alguns cozinham. (eu fiz sucesso aqui, os gringos nao sabem de nada…) , todos bebem. Bastante. Alias, eh esse o modo de renda mais eficaz do israelense, vendendo bebida para os que estao aqui e seu amigos que chegam e vao todos os dias.

Que esta aqui faz um passaporte onde marca suas cervejas. Esperto o moco, assim voce acaba bebendo muito mais pois nao gasta seu dinheiro na hora… esperto mesmo.

Ha algumas figurinha do lugar.

Jessica – a paramedica

Filha de alemaes e brasileiros de Novo Hamburgo, ela entende alguma coisa do que eh dito em portugues. Se diverte com as pessoas, e aparentemente eh super forte e imperativa. Mas eh menina como todas as meninas e as vezes se sente soh e desprotegida no alto de seus 1.79m . trabalha como paramedica, e de uns dias pra ca comecou a ver os fantasmas de seu trabalho. Digo pra ela nao ficar bebendo pra esquecer isso mas ela quase nao me ouve.

Elisa – a fada finlandesa

Parece uma fada mesmo, cabelos curtos, saltitante e fazendo estranhos sons pela casa. Eh divertida -estranha, mas divertida. Esta por aqui, indo e vindo ha 9 semanas. Trabalha aqui e ali, faz umas bijouterias… uma hippie sujinha, finlandesa, mas ainda assim hippie sujinha muito gente fina…

Santiago – o latin lover

Panamenho de nascenca, norte americano de passaporte. Eximio dancarino. Ensinei os passos basicos de samba a ele e o viado ja saiu dancando. Tem a Anna como namorada mas ja deu umas escapadinhas durante a semana.

Anna – a alema

Da aulas de ingles numa escola infantile da cidade. E mora numa casa de familia local. Soh aparece no kibuts nos finais de semana, durante a semana ela eh boa moca, professorinha…

Billy – a amazona sueca

Essa eh curiosa. Lutou no conflito de Burma quando era mais jovem. Era a unica mulher do pelotao. Voluntaria. Vive indo e vindo da suecia pra asia fazem 2 anos e pouco. Tem uma irma que mora em Boipeba com dois filhos nascidos lah. Ela pensa em ir pra Bahia um dia.

Noi – o chef thailandes que nao fala nada de ingles

Amigao. Conversamos um monte sem um entender nada do que o outro diz. Sempre aparece no meio da madrugada, quando larga o restaurante, para beber e jogar bilhar.

Mark- tipico ingles

Gente fina, cheio de sacos plasticos onde guarda todas as suas coisas, inclusive um livro chamado “como ganhar no carteado”.

Damian – a canadense

Figura. Usa saia como os escoceses, fala enrolado como os australianos, parece um frances. E o melhor, dorme com os olhos completamente abertos. Completamente.

Yuval – o israelense

Judeu de dreads, gosta de ska e bilhar, nao sei ainda de onde teve a ideia maluca de montar esse lugar dessa maneira, mas vou perguntar.

Sing – a taiwanesa maluca

A chinesa mais louca que jamias conheci. Talvez porque nao seja chinesa e sim taiwanesa. Bem humorada a qualquer hora do dia os da madrugada. Adora cortar cabelos (dos outros) e fazer sons estranhos.

E mais um bando de gringos que vem e vao…

overstay

A feijoada

Foi assim. ganhei um pacote de feijao prerto, metade na verdade, da Ale, minha amiga brasileira daqui. Isso me despertou a feijoada que vive dentro de mim. com o chef thai aprendi a falar feijao preto, toa-dam, achei mais no mercado e me meti a faze-lo da maneira vegetariana…

receita:

Feijao cozinhando horas.

Alho, cebola

Abobora, baby corn, brocolis, aspargos

Cogumelos variados

Cozinha tudo. nao achou louro? (bay leaves) usa massala que deu certo comigo, nao nao use muito, soh ra dar um gostinho.

E sal. ah como eu gosto de sal… uma comidinha soh com sal, nada de acucar no meio… o povo daqui eh muito estranho, acucar na comida esal na sobremesa…

Acompanha arroz, farofa feita com bread crumbs (farinha de pao grossa, usada aqui pra fazer empanados) e couve refogada… nao eh bem couve, mas eh muito parecida.

E o resultado eh este aqui:

feijoadaMuito bom.

Depois disso peguei dengue e institui meu molho de sete dias…

Mas antes disso conheci  Ale, Jeff, Potsi pude oscilar entre o mundo  dos mochileiros hippies e das modelos moderninhas. Na proxima.

Curtinhas

June 5, 2009

(to aqui escrevendo e tem uma linda chinesa zoando com um canadense que dorme com os olhos abertos, mas abertos mesmo, aqui na minha frente. Ela pega um pequeno estandarte e fica passando nos olhos aberto do canadense dormindo)

Brasileiros

Duas de brasileiros, fiquei super envergonhado:

A primeira foi basica. To eu naquela roda dos hippies da outra historia quando passa um grupo, tres homens e uma menina dizendo em alto carioques:

Hi, filhos da puta!

Sawadee e pau no cu de voces!

Na hora virei pra eles em meu alto e gago tom brasuca:

Ta louco, mano? Quem voce pensa que eh?

Acho que foi a expressao de panico mais engracada que ja presenciei na vida! O cara soh faltou ajoelhar de desculpas, mas nao era pra mim que devia pedir, e sim aos que nada entenderam o que dizia. Por que sera que a gente gosta tanto de fazer isso? Acho que vem do mesmo canto do cerebro que nos faz escrever o proprio nome nas pardes e carteiras escolares… o problema eh que eram todos marmanjos, jogadores de futebol de um time local…

A segunda segue a mesma linha, estava eu no Reggae bar conversando com a namorada do bartender, quando ela me diz que sabe dizer “you are beautiful” em portugues.

“vuce eh puta.”

Ela ficou horrorizada quando lhe expliquei o verdadeiro sentido do que falava e ensinei-lhe o correto.

Que vergonha dos meus conterraneos… por um breve momento me senti bem por me confundirem com Indu, frances ou africano…

“Iu eh seis”, A Origem

Essa eh bem curtinha. Eu numa roda de estado-unidenses. Todos clarinhos, bem alimentados…

Eu digo, “sou do Brasil”

Eles dizem, “Brazil? Oh! Pega nu mi pau! Chupa mina pica!” e caem na risada.

(de um grupo de intercambistas curtindo a high school thailandesa.)

“Iu eh seis”2, A Vinganca

A fruta boa da caixa tinha que vir do brooklin. Negrao de dreads, pra lah dos 40. ficamos horas falando de politicas segregacionais ao longo da historia, por todas as culturas. Acho que foi a mais interessante conversa que tive desde que cheguei aqui.

Lingua

IMG_1047Eh essencial aprender, ou pelo menos tentar aprender a lingua tailandesa (ou qualquer outra do pais onde esteja) eles ficam super felizes simplesmente por voce dizer um obrigado que nao seja thanks. Tambem faz com que voce seja menos ludibriado nos taxis, tuktuks, lojas… acho mais do que basico se aprender pelo menos bom dia, obrigado, quanto eh, ta caro, muito bom, nao, sim, e numeros. Se souber estas pequenas coisas, em qualquer lugar onde va, sera muito bem tratado.

Eh claro que ler ou escrever jah sao outros quinhentos… juro que tentei linkar os sons com as palavras quando fui num karaoke aqui… Impossivel.

Lets get lost

Copy of IMG_0986A melhor maneira de conhecer uma cidade? Saia andando por aih, pegue o primeiro onibus que passar. Voce pode nao ver nada de “super interessante” mas sera legal pra caramba. gente comun nas ruas, criancas jogando futebol, lojinhas de todo tip, casas ricas e pobres lado a lado. aquele olhar de espanto e curiosidade das criancinhas que nunca viram um “farang” antes. existem pequenas curiosidades de uma cidade que eh impossivel perceber nos pontos turisticos, viciados com a internacionalizacao do mundo. Nessas horas voce deixa de ver a Bangkok e passa a enxerga-la.  Fiz tanto isso por aqui que ja nem me perco mais.

Mentira… me perco ate hoje…

Templos

Buda deitadoVale a pena conhecer todos eles mas eu recomendaria dois: Wat Po e Wat Saket.

O primeiro eh um templo dirigido ao buda deitado, uma enorme escultura de 30 metros de comprimento, toda foleada a ouro. Foleada mesmo, folhinha por folhinha, cada uma com seus 4cm quadrados no maximo.

O segundo eh uma especie de cemiterio encravado num monte, no alto uma estupa, especie de sepultura onde descansam as cinzas de algum rei ou monge bem adorado, lah do alto eh possivel ver toda a cidade, suas belezas e tristezas, lada a lado uma das outras.

Lixo

IMG_0841Infelizmente aqui nao se tem nenhuma consciencia ambiental. Os canais e rios sao completamente poluidos, qualquer terreno baldio rapidamente se transforma em lixao. O pior eh que parece que ninguem da a menor bola pra isso.

Engracado eh que enquanto escrevo isto toca o telephone. Eh a Ale, grande amiga nova daqui, me divindo um projento ecologico bem interessante…

Quem sabe nao rola um jazz por aqui, e eu viro empresario? jah pensou?

Comunicao eterea

Eh impressionante como o Brasil eh um pais caro para se falar ao telefone. Parece que ainda seguimos a velha cultura da menor Comunicacao/Educacao = Maior Controle…

9 min do Brasil pra tailandia custa ao consumidor em torno de 70 reais. O inverso nao custa mais do que 3 dolares… e olha que aqui eh terceiro mundo igual na terrinha. Deviamos invadir as operadoras de telefonia brasileiras e quebrar tudo!

Oniricamente falando, claro, porque violencia nao esta com nada…

Mesmo quando parece estar com(em) tudo.

Clima

Aqui eh assim:

6 da manha   35graus Celsius, umidade 91%

Meio dia       39graus Celsius, umidade 95%

6 da tarde      35graus Celsius, umidade 98%

Meia noite    33graus Celsius, umidade 95%

Obs: Pegue duas chuvas e coloque onde quiser.

No dia seguinte comeca tudo de novo.

Desculpem a falta de fotos, eh um misto de preguica com talvez inicio de dengue… depois conto melhor…

Reggae Bar

June 4, 2009

IMG_0658

Aih, aquele angolano da outra noite, havia me falado do tal unico bar de reggae de khao san road, fui conferir, afinal fiz uma balada com a dona do bar ate as 10 da manha do dia anterior. Achei fantastico, um beco ao lado da barulhenta khao san eletronica, onde oude ouvir todo tipo de reggae, jamaicano, africano, frances…

O negocio eh de familia. A dona jah eh a 4.a geracao que cuida daquele mesmo ponto, o DJ, de cabelos curtos depois de uma “conversinha” com a policia, eh seu marido. Os dois bartenders de mesas sao namorados, o outro eh irmao da dona… E a irma do bartender que  por lah.

Nao eh travesti, nem transformista. Eh mulher. Ou ladyboy, a maneira como chamam elas aqui, maneira alias bem “Iu eh seis”. Ela eh realmente o terceiro sexo. Talvez esta seja uma das mais incriveis demonstracoes da simplicidade de pensar desta cultura. Se teu menino, ainda criancinha, ja demonstra ser mais menina que menino, vista-o de donzela e trate-o como tal. Nao existe aqui a normal discriminacao ocidental, por aqui “eles” nao ficam segregados, confinados em guetos sociais, culturais e economicos. Vemo-os atendendo no mcdonalds, bancos, aeroportos, passeando com a familia… e tgambem nos guetos, como os homens e a s mulheres. Nos mais  antigos eh possivel reconhecer um pouco do homem que foi um dia, nos jovens, jamais. Voce pode ate ter duvidas, certeza-certeza MESMO, soh depois de perguntar.

No Reggae bar a menina era assim, me xavecava, conversamos bastante, soh quando ouvi seu irmao dizendo que ela era seu irmao mais novo no meio de uma zoeira-de-irmaos foi que realizei, digo, percebi, que a menina nao era tao menina assim. E olha que estive a 50cm dela, na luz. Ela no ato ficou envergonhada, eu ja tratei de desfazer qualquer mal estar chamando-a de “her” (ela) e nao “him” (ele), disse que todo mundo eh igual, todos somos feitos de alma e carne. Se pra fora ou pra dentro, que importa? Ninguem se torna menos ser por resolver assumar o que a alma clama.

sinuquinha

Fui muito bem atendido lah. e eles tem uma mesa de sinuca pequenina excelente. Bolas proporcionais, muito boa de jogo.

Muitas pessoas que, como eu nao eh muito ligada nas baladas khao san, se esconde neste beco, eh possivel conhecer gente muito interessante por aqui.

Mas confesso que esse negocio de reggae o tempo todo enche o saco. E olhe que soh fui la duas vezes, ou tres. Numa delas, provavel a ultima, foi onde conheci o holandes mais doido que ja vi, ate agora

Umas e outras coisas

June 4, 2009

lichias

A comida daqui

Eh na rua. entre os passantes, nas calcadas onde voce consegue descobrir o que o povo daqui realmente come. uma saidinha em volta da quadra e voce ja ve o vasto mundo da comida tailandesa.

IMG_1005

doces coloridos e comidas em saquinhos plasticos, essa eh a alimentacao basica tailandesa…

arroz doce na folha de bananapassear por estas “pracas de alimentacao” eh realmente incrivel, ve-se de tudo por la, desde gafanhotos , molhos indescritiveis e ovos galados, ate mesmo coloridas guloseimas… se cansou da comida local pode entrar em um dos milhares de 7/11 daqui eh pedir um sorvete de feijao…

Por aqui eh tudo aos contrarios: a comida normal eh doce, reitero: bem doce. tudo aqu eh doce, ate os salgados “pra gringo” da loja de conveniencia. Mais maluco, a sobremesa eh salgada, e geralmente  bem apimentada…

Padthai, tom yum, fried rice, fried noodles, sticky rice e dezenas de coisas que nem me arrisco a pronunciar o nome…

Confesso que da outra vez que vim pra cah provei tanta coisa estranha que desta vez nao fiz nada disto. Mas vou tentar descrever mais ou menos o gosto geral das coisas por aqui.

Pad thai eh um macarrao frito com legumes e ovo, muito comum e barato, eh geralmente o que a grande maioria dos turistas comem.

pad thai chef

Tom yum eh uma sopa deliciosa, feita com caldo de peixe, leite de coco e capim santo

isso nao eh tom yum, mas eh como se fosse...

Sticky rice eh um arroz feito no vapor que torna-se grudento sem tornar-se papa. Se come com as maos, fazendo um bolinho e metendo guela adentro.

arroz grudento

Substancias geralmente usadas:

Copy of IMG_1169Fish sauce, o mais horrivel odor  que alguem pode sentir na vida… sem brincadeira, tem cheiro de cachorro molhado que brincou a tarde inteira na carnissa. Eh serio, podem perguntar ao Fe, a Ana ou a Julia…

Copy of IMG_1170

Leite de coco, isso eles sao mestres, o daqui da de 10 a 0 em qualquer outro que vi por aih

Capim santo, esta em diversos pratos quer voce queira ou nao.

Pimenta, esta em TODOS os pratos, mesmo voce pedindo pelo amor de deus para que nao coloquem. Deve ser algum tipo de vinganca ou pura diversao mesmo…

o dende. Aqui temos dende, toneladas e mais toneladas, todas eles muito bem refinados para gerar o oleo de cozinha normal… as vezes eu penso baianamente, “que desperdicio…”

dende

Pepino, no sanduiche, sopas e ateh como suco, depois do arroz eh base alimentar da regiao.

Pombo. Comeu um galinha pequena? Pedacos minimos de carne de frango? Hummmm… eh gostoso o bicho, ja me acostumei e agora procuro nao pensar mais nisso…

Embutidos, realmente nao dah pra saber se sao de frango, porco, carne ou todos juntos… juro que nao dah… mas eh gostoso.

Os melhores (ocidentalmente falando) lugares para se comer sao aqueles que voce pode apontar o que quer comer, mas confesso que sao raros e menos baratos. Porisso todos vao de pad thai. alias, to aprendendo tailandes com um chef de cozinha thai que nao fala nada de ingles, o maior barato…

Ah sim! Ia me esquecendo dos snacks preferidos daqui, gafanhotos, baratas e larvas. Mas tudo bem frito e com um molho adocicado. Sabe o pior? Sao gostosos, todos eles…

IMG_1063

Ps: Tuquinha querido, acredito que iria adorar o pad thai, mas somente se o visse sendo feito, hehehe…

Agora, sorvete de feijao eh o bicho…

O Australiano

Falando um pouco sobre os perdidos, esta figura me apareceu numa tarde daquelas. Estou eu muito bem com meu copo de gelo cheio de cerveja quando da mesa ao lado um sujeito me chama a sentar com ele (vantagens e desvantagens de viajar sozinho…)

Sujeito gente boa, pensei, comecamos a conversar e ele ja me pergunta se sou casado, “fui duas vezes” digo, ele se espanta, o que, alias, todos sentem. Na sequencia do espanto surge sempre a mesma pergunta, “qual sua idade?”, e quando respondo 30 sempre vem mais um espanto. Ja estou quase de saco cheio disto, da proxima vez digo que tenho 40…

Enfim, quando pergunto se ele eh casado sua expressao muda, toda a felicidade lhe escapa pelos olhos, boca e nariz e ele comeca a contar-me como chegou ali:

“fui casado, sim, durante 14 anos. Um dia descubro que minha mulher, o amor de minha vida, tinha um caso havia 5 anos com um amigo meu. Fiquei completamente maluco, quebrei a casa e quase quebrei ela junto. Ela prestou queixa a policia e nos separamos. Mas isso eh soh o comeco. Sabe, tenho dois filhos, um com 11 e outro com 13. tentava falar com eles mas ela nao deixava, desligava o telefone em minha cara, atrapalhava a ligacao, fazia o diabo pra me afastar de meus filhos. Num dia de raiva, tinha bebido um pouco, sabe, disse que a mataria se continuasse com isso. A filha da puta foi e prestou nova queixa, a policia foi me prender e eu vim pra cah. Agora nao posso mais voltar, senao serei preso…”

Neste minuto recebo uma ligacao da minha filha. Fico todo feliz e desembesto a falar com ela, explico, pedindo licenca que era minha filha, eh claro que nao devia ter ditto, o grandalhao cor-de-rosa, cheio de tatuagens comeca a chorar na minha frente, em plena khao san road… foi duro de ver.

Dois dias depois encontro-o novamente num bar playboy que meu amigo angolano me levou. Tchee! Look what happen with me…

Eu logo penso, ai meus sais, la vem…

Ele tira a camisa e mostra uma serie de edemas, foi preso e espancado pela policia. Resolveu “pegar” uma menina no fim da noite e a levou para o quarto.

No meio do conluio a menina deixa escapar seus “documentos”…

“ela era linda, perfeita, eu ainda perguntei duas vezes a ela… sabe, na hora fiquei completamente maluco peguei o pescoco dela, ou melhor, dele e comecei a apertar, apertar… quase matei o sujeito mas ele enfiou as unhas em mim, eu larguei e ele saiu gritando. A policia chegou e me levou, olha o quanto me bateram na delegacia. Ainda tive que pagar 20.000bath para poder sair…”

Neste momento jah estou olhando todos os pontos de fuga do estabelimento e pensando numa boa desculpa pra sair dali rapidinho, paro um pouco e tento minha ultima saida, explico-lhe rapidamente sobre religioes africanas e digo-lhe que isto eh caso de benzedeira, muito sal grosso e uma viagem ao Laos, digo-lhe que lah eh tao tranquilo que dificilmente ele conseguira arrumar problema.

E esta foi a ultima vez que o vi. Nao me queixo por isso nao…na sarjeta de bangkok

(a sarjeta de bangkok eh dificil de alcancar, mas tem uns que parecem dois)

Situando um pouquinho

June 3, 2009

repare na foto do cigarro

Na tailandia o cigarro eh fortissimo, a cerveja de alta “octanagem” daqui eh tao ruinzinha que todos a tomam com gelo. As drogas aqui sao extritamente proibidas.  Para se ter uma ideia, se um individuo eh pego fumando unzinho na rua ele pode pegar entre 10 e 20 anos de cana. Mas, como acontece no Brasil, isso somente acontece se nao se tem dinheiro o suficiente para pagar os guardas que te pegam. Entre os traficantes a pena vai de perpetua ate morte por enforcamento, e como no Brasil…

cerveja 5%, cerveja 7% e agua

cerveja 5%, cerveja 7% e agua

A lei rigida nao impede que a cidade de Bangkok seja recheada dos mais variados tipos de drogas, maconha, cocaina, opio, heroina, ectase, cogumelos… mas se achas que a asia eh o paraiso dos “mucho locos”, que se pode comprar em todas as esquinas, e baratinho, esta um pouco equivocado, errou de pais, baby, isso o que pensas eh a India. Por aqui as drogas sao caras e poucos tailandeses a vendem. Isto geralmente fica a cargo dos africanos com suas vestimentas de rappers americanos e postura igual, mas basta entrar um pouquinho em suas vidas para vermos que sao todos bonzinhos… bem, nem todos, tem uns que sao filhos da puta. Mas eh espirito, nao profissao.

preguica de caoSeguranca

Bangkok eh uma cidade segura. Bem mais que Sao Paulo por exemplo, assaltos existem, mas quase nunca sao usadas armas de fogo para tal. Pode-se andar tranquilamente pelas ruas durante a noite, se perder pelos bairros sem correr muito risco, geralmente o bem mais roubado por aqui sao sandalias…

Mas eh sempre bom deixar claro que aqui nao eh a suica, e se voce nao ficar sempre atento pode acabar se dando mal. Bangkok Post sempre mostra uma, as vezes meia noticia de morte ou tiros, tudo extritamente dirigido ao morto (ou ferido), nunca assim a esmo. Agora, ta rolando um buxicho de estupros de estudantes por aqui. mas somente as tailandesas, mas facil uma turista estuprar um tailandes do que o contrario…

quebrada de bangkok: mais segura que o capao redondo

Taxis versus Tuktuk versus Bumbas

tuktuk em alta velocidadeMilhares de taxis povoam as ruas da capital com suas cores gritando verde, azul, rosa, amarelo. As vezes mais de uma. Taxi por aqui eh realmente barato, pode-se cruzar a cidade por menos de 5 dolares. Mas atencao brasileiros!: nao tentem barganhar com o taxista, voce sempre, SEMPRE, sairah perdendo. O melhor sempre eh entrar no taxi, pronunciar seu sawadee ka(p)*, falar o endereco e pedir que ligue o taximetro. Saira metade do preco (no minimo) do que se voce der uma de espertinho e tentar a barganha. Ah! Cuidado com teus pertences no taxi, se esquecer qualquer coisa, nunca mais a vera.

*sawadee eh o bom dia-boa tarde-boa noite daqui, a terminologia ka eh se for uma mulher falando e  kap se for um homem que fala.

Entupiu? ligue djah!

Ja com os tuktuks soh se sai depois de negociar. O que eh um tuktuk? Uma moto com cassamba que leva, alem do motorista, 4 pessoas +malas+ bicicleta+ compras…

Eh super divertido passear pela cidade a bordo de um tuktuk, chato eh negociar o preco com o motorista. Imagino que este seria um otimo meio de transporte para o Brasil: pequeno, barato, eficiente.

se segura no bumbaO onibus eh de longe o meio mais barato. Mesmo aquele chiques dos bairros ricos, com ar condicionado e motores silenciosos custam menos do que qualquer lata de sardinha, suada e barulhenta que achamos pela terrinha. Aqui a tarifa minima eh em torno de 6 bath (35bath= 1dolar) e a maxima eh de 22bath. O dificil eh se achar de onibus, a maioria dos mapas turisticos nao mostram as rotas de onibus da cidade. Dos 4 mapas que peguei, somente o quinto, que eu achei, por ventura, possuia as linhas dos coletivos. Quando vc se acha de onibus a vida fica bem mais divertida.

Transito aqui eh como em Sao Paulo: tem que saber o horario certo de sair pra onde, senao, calha ficar 1 h pra andar 3 quadras…

nao eh sempre assim...

Os meninos de rua daqui tambem cheiram cola… Geralmente vieram do norte, fugindo suas familias com 7, 8 anos, sobrevivendo do que lhes dao, do que pegam e das rosas que vendem aos ricos e apaixonados falang.

Falang eh uma expressao muito louca, eh o nosso “gringo”.  Diz-se que vem de alguma mistura maluca entre forein com francese, lembrando que por aqui eles nao conseguem pronunciar muito o “erre”, trocando pelo “ele” quase sempre, senao sempre.

a rua dos turistas

Por bangkok existem os mais variados tipos de turistas, como aqui porta de entrada para osudeste asiatico, se pode encontrar os mais diversos tipos:

-os backpacker, mochileiros de todas as nacionalidades que saem viajando meses a fio, enquanto durar a grana ou o saco.

-os koreanos, em grupos grandes e vestidos como se fossem jogar golfe no minuto seguinte, diz-se nas altas temporadas que o ultimo koreano a deixar seu pais apagou a luz e deixou comida pro gato…

parece com os japoneses turistas que voce conhece?-os japoneses, sem aquele esteriotipo, os daqui sao gente finissima. Vem em grupos pequenos mas muitas vezes sozinhos, mas todos se hospedam na mesma guesthouse.

-os europeus 1 , sao aquela playboizada que vai facar as ferias na tailandia, fazem as mesmas coisas que deveriam fazer por lah, mas em Bangkok ninguem te conhece, neh?

-os europeus 2, sao as familias que vem pra cah. Pai, mae, filhos, mae com bebe, tia com sobrinhos…

-os voluntarios, geralmente europeus ou canadandenses, esta aqui dando aulas de saude e ingles para as criancas, muitos ja estao pela asia ha anos, comecam na china, corea, Vietnam…

-os “Iu eh seis”, estes sao dificeis de entender, sao tipicos mesmo, mas eh possivel tirar um fruto bom da caixa, vi alguns por aqui, na verdade um soh.

– os outros americanos, sao quase todos mochileiros, salvo uma familia que vi a muito tempo atras no camboja.

– os australianos, bem, eh pertinho neh, e eles tem grana por lah, muito mochileiro passa um tempinho lah pra fazer grana…

– os perdidos, aqueles sem nacionalidade, ou porque ja deixaram seus paises de origem a tanto tempo que nem sabem mais de onde vieram ou sabem muito bem e nao querem ou nao podem voltar…

E eu, brasileiro, perdido no mundao dos gringos…

bangkokando a noite...