Archive for May, 2009

Literalmente de tudo

May 30, 2009

Bangkok, 19, mai, 09

Hoje aconteceu LITERALMENTE DE TUDO. Agressao policial, licao sobre drogas, Turistas e bom comportamento, de tudo. Vamos la, deixe me ver se consigo contar direito…

vixi!

18 DE MAIO, SEGUNDA FEIRA  por aqui, domingo a noite no Brasil. Volto pra casa as seis da manha. Por que? Na outra noite foi aniversario do Alex, o escoces. Sentado na varanda da pousada, uma vasilha de gelo, pepsi, soda, wiskie, e um balde. Um baldinho, vai, uns 15 cm de altura, colocam tudo junto e mandam bala. Bebemos e falamos muito muito. Eu, no meu parco ingles , entendo que existem wiskies de 600 anos que custam 6milhoes de dolares… Na roda, eu, um japones, e o escosses com a esposa, seu irmao mais jovem, e um vizinho. E quem compra? (o wiskie de 6 milhoes) Pergunta o japones. Quem compraria um wiskie de 600anos por 6milhoes? Americanos, obvio, diz o escosses. Eu, e o japones concorda, completamos, “ e os chineses”.

Ok, isso era perto de meia noite, 1 am,… las pelas 2as, Alex recebe uma ligacao de seu pais, volta todo chateado. Eu tambem recebi a minha, mas felicidade eh o que nao cabe mais em mim quando recebo essa ligacao. Em verdade nas duas ligacoes que recebo. Por que somente liga quem ama.

Todos se vao e ficamos eu e o escoces. Alex esta triste, eu estou feliz, e bebemos, cada um por seu motivo, as 2 garrafas inteiras, mesmo e ele dizendo: “ u tchee, and me, ich!, only gonna sleep when all wiskie is over…” “Logico…. Haa… sure…” Respondo…. Nem sei como aguento, talvez, deva agradecer algumas grandes amigas que ansinaram a “porque parar se voce pode sempre continuar?”, e isso serve pra tudo

Surge a mulher dele um tanto brava, falam, discutem. Ele vai dormir, eu nao.

chove todo dia

Saih pela rua, andando a esmo… Tres e pouco. vejo um grupo de pessoas sentadas no chao da rua, khao san, alguns turistas um cara tocando violao. Outro, que tambem toca, me reconhece da noite anterior, porque elogiei sua musica e o convidei a sentar junto a mim, um australiano e outros japoneses… mas isso eh outra historia…

Tcheee, tcheee!

Hi!!

How r u?

Ok, ok…

Sit, sit!

Ok, ok…

Ficou aquela coisa bem hippie, violao, sentado no meio fio, batendo papo… e dalhe o baldinho! Eu sai com o meu e eles tinha mais 2, acabando a bebida, fomos botando mais, spirit (destilado), cervejas, o que fosse, com gelo, um canudo e musica, Muita musica gringa , algumas musicas thai. Todos cantam, ate eu… A primeira vez que vejo amanhecer foi neste momento, olho no meu bolso e lembro do meu estadinho de turista vagabundo e moribundo… nada mal, mas eu ja estava vendo o fim, devia ter no bolso algo como 40bath. Isso dava 1,02 dollar. E isso era tudo o que tinha, serio. Essa espera para o dinheiro chegar eh uma loucura, familia mandando dinheiro pra vc, vc enchendo o saco de todo mundo para que chegue logo… (ACABO DE RECEBER UM SMS DO MEU DOCINHO…. COMO EH BOM, PRATICAMENTE ME ALIMENTO DISSO.)

Mas estava contando da noite, dia passado, eu e meu dolar, indo dormir as 6 da manha… Cruzo com o irmao mais novo da esposa do escoces, acordando para o trabalho, ele eh ourivez, queria dizer que conheco o oficio, que tinha feito um video sobre isso, mas desisti. O ingles dele eh pior do que o meu… Entrei e dormi direto. Acordo as 16hs. Com sede, suado, com fome. E 1 dolar no bolso. Beleza pensei, deve ser o que?, 6am em Sao Paulo?, posso esperar mais um pouco… Resolve arrumar minhas coisas, meu quarto, limpo tudo, fico ouvindo Lenine (brigado Susy!!!). Foi bom, tranquilo, sem beber, pensando em mim, nos meus, no que faria nos proximos dias… 19:30. 9:30 no Brasil, ok, espera mais um pouquinho, thi, antes de encher o saco do povo. Isso porque saih do pais antes de receber meus dinheiros, portanto realmente soh tinha este dolar e um cartao de credito bloqueado… Esperando o brasil acordar pra tentar receber algum…

21:00. 11:00 no Brasil, falo com a familia, nada ainda, acaba o credito do telefone. Agora estou solo. Dependo totalmente deles para qualquer informacao.

Como um padthai por 20bath, muito bom, um tipo de marracao de arroz, frito com broto de jeijao ou de arroz, folhas verdes de batata, , repolho, e dessa vez sem ovo, para economizar tudo o que podia. Tenho agora 20bath. Volto para meu quarto para esperar tempo passar. Estava ficando um pouco farto de Bangkok, daquela balada de turista, chata pra caramba… Fiquei no meu quarto, quieto, ouvindo musica e pensando o que estava fazendo ali. Era isso mesmo o que queria?

(era sim, eu nao queria estar em outro lugar que nao aqui…)

Soh queria que 2 ou tres outras pessoas estivessem aqui comigo…. Uma de cada vez seria melhor, se eh para escolher o sonho mais belo.

10 horas da noite, espero meu docinho ligar, ou minha pinguleia, as duas de preferencia. Quem ama liga neh? eh gostoso isso…

toca o telefone.

Que ama liga, Eh meu eterno amigo, meu irmao, sangue do meu sangue.

Oi Fe!

Oi Thi…

Depois, eh claro, ligaram meu docinho e minha pinguleia, mas foi tao bom quanto inesperado receber aquela ligacao… ele veio pra ca comigo no ano passado e conhece a Khao san tambem… falamos um pouco, desliguei. Tudo bem, eu facilitei baste as coisas, colocando um numero de telefone de Sao Paulo a qual quem ligar, tem sua ligacao transferida para meu celular aqui…. Muito confortavel para todos, mas tenho que ter mais controle, senao vai sair cara a brincadeira…

11 horas da noite, sera que a familia mandou o dinheiro? Sera que nao? Sera que acharam a senha? Ninguem avisa nada, ninguem diz que sim ou que nao. Fica duro asssim. Resolvo dormir, no outro dia de manha eu testo , eles vao me avisar… Durmo ate as duas da manha, acordo, com musica ainda, e minha filha ligando, que delicia isto…

Calor da porra, escolho sair do meu quarto, uma enorme instalacao de 3m quadrados, quase uma suite, pois o banheiro fica bem em frente.

Friendly people

reggae now

Saio andando e sou chamado de novo. Tcheee! Eh um vendedor de cerveja, ele sempre chega as 23 , hora que os bares comecam a parar de vender cerveja ( a 1 da manha todos param de vender bebida… bem… quase todos, quem sabe onde, sempre consegue alguma coisa…)

Sentei com o jovem. One bier? I cant, waiting money come… Ya ya…

Ele vai ao 7eleven e me compra agua, me dah cigarros, sento com ele um pouco e depois saio para andar um pouco.Iria somente dar uma volta, olhar o safari humano e voltar pra casa, passar o tempo. Avisto dois negros sentados, sorrisos trocados, eu cumprimento e pergunto (to ficando meio cara de pau nisto) “oi tudo bem, de onde sao?…”

Spain e Sudan. Eu digo sou brasileiro.

“Caralho. Tu es brasileiro? Minha mae es de Porto Seguro”, me diz o espanhol, que na verdade eh angolano.

Pronto, sentei com eles. O angolano vive do comercio de roupas, daqui pra lah, toneladas por sementre. Chama-se Avelino. O sudanes eu nao sei muito bem do que vive… Mas acho que faz de tudo, estartamos a falar sobre drogas e ele me conta que aqui tem de tudo, fala que a melhor cocaina que provou esta aqui, pura, trazida pelos nigerianos. Me oferece uma grama por 4mil bath… quanto eu tinha no bolsa? 20? Nem mesmo 1 dolar eu tinha… Mas mesmo que tivesse nao terie comprado. Nao mesmo.

Neste momento vemos uma cena inusitada: um gringo besta, provavelmente norte-americano, finge se jogar em frente a um carro que passa pela rua. o carro para e sai de dentro um policial puto da vida que comeca a brigar com o gringo, espetando-o com a antena do walkie-talkie. O sudanes levanta puto e vai encarar o gambeh, falam algo e o guarda volta pro carro indo embora. Ele volta me dizendo que isso nao ocorre na africa, ou acaba em morte, ou nao acontece nada…

Eles se levantam para “dar uma banda” (andar por aih) fico ali, meio-parado-meio-indo. Eles me convidam, eu vou.

Seguimos, “vamos dancar!” diz um deles, e entramos numa boate de musica eletronica, La encontro uma menina que tinha visto na outra noite, danco um pouco, nao dou muita bola pra ela. O sudanes acha uma garota canadense, se engraca com ela , saimos e vamos para outra bar, este de hiphop. Dancamos ate bem tarde, ou cedo. O sudanes some com a canadense, eu e o angolano resolvemos voltar a rua tomar a ultima cerveja. neste momento, eu ja havia dito a ele nao ter nada de dinheiro e que ele teria que me bancar, “sem problemas” eh o que recebo como resposta.

Bebi um monte, isso por que havia pensado em nao beber assim por aqui… Prometi acho tudo o que vou descumprir ate acabar este relato. Eram passadas bem mais das 4 da manha, nao tinha cerveja a venda… Quer dizer, nao para turistas…. Olha soh esse, mundo… Avel conhecia uma moca, de uma roda no chao, bebendo cerveja, onde eu fui pedir um cigarro. Era dona de um bar por ali, um autentico bar de reggae cuja a familia cuidava ha 4 geracoes. E ela ali continuava, no chao, com amigos, comendo e bebendo. Sentamos junto, e um thailandes de dreadlocks vai comprar cerveja para todos. Ele leva uma bolsa, compra e sai, tudo bem. Bebemos e bebemos. Boto musica brasileira para eles ouvirem, o cara gosta de Marcelo D2. Chico Buarque nao fez mutio sucesso.

Comemos, bebemos… “Vamos para a casa fumar um?” A mulher pergunta. Por mim… soh estava descomprindo auto-acertos, mas cheguei num momento que nao queria negar nada… O melhor acerto que vc pode fazer eh: tudo o que acontecer, aproveite. Programas, promessas, sonhos, tudo issso eh talvez. Certeza mesmo soh temos do que ja passou. Amanhece (de novo). Ate comento com meus novos amigos o quanto eu gosto de ver amanhecer, ninguem da muita bola…

Pegamos mais cerveja, gelo, comida… e vamos agora para uma balada local. Pegamos um taxi e vamos para um bairro proximo, na casa daquele thai de dreads que comprou as cervejas. Ele chega no corredor do predio e vai testando porta por porta do corredor, (sao muitas). Nao sei o que pensar, o angolano fica doido, a outra, dona do bar, fica um pouco nervosa, mas parece brincadeira, eu fico na minha. Ele abre a ultima porta. Um quartinho com uma cama, um banheiro e uma varanda. Soh. 4 dormindo e um no violao, negrao asiatico de longos dreads, voz grave, legal, que esta escrevendo uma musica a qual comeca a cantar quando entramos. Os outras acordam, botamos a comida no chao, a bebida nos baldinhos, e seguimos na balada , conversando, cantando, fumando e bebendo muito. Minha filhas ligam pra mim, ja eram 7 da manha. Falo um pouco com elas e volto pra roda, falamos sobre a pimenta e o tempero, ela me dizendo que gringo mistura os molhos todos, me ensinam a forma correta. E dalhe fumo, cigarro, bong, reggae correndo solto. Ficamos lah ate as 9 e pouco, ou muito. Avel, o angolano esta preocupado com a hora, precisa ir, vou com ele.

isso eh que eh republica

Saimos na ruazinha do bairro e andamos ate encontrar uma grande avenida e pegar um taxi. Por mim, teria voltado a peh, mas estava sem grana nenhuma, sem passaporte, bebado… imagina se algo desse errado? Demoraria meses ate alguem saber de algo… nem me fale…

Deu tudo certo.  E me despedi do Avelino com o sol jah torrando nossa cuca, jah torrada da balada, dizendo um ate amanha que pode ser vero ou nao, por aqui nunca se sabe. Chego bem quietinho na minha pousada e comeco a escrever o principio deste texto, vem aquela mensagem, do meu docinho, uma felicidade breve e intensa… Eh bom amar. Muito. De qualquer jeito, de todos eles…

Mas, como diria Jose Kosta, bom mesmo eh se aventurar em uma lingua estrangeira…

Sera que meu dinheiro chegou? Vou descer pra ver….

Advertisements

Abrindo Bangkok

May 29, 2009

Bangkok

chegando

Chego numa manha quente, eh claro que dentro do aeroporto nao noto nada disso, um mega ar-condicionado deixa tudo com ares internacionais. Tambem aqui ja tinha todo um discurso armado sobre o porque de minha passagem de volta ser para dezembro, iria ao Laos, Camboja… eh claro que nada disso foi necessario, nao sei mas acho que nao tenho cara de imigrante. No aeroporto estava aquela coisa, a paranoia da febre suina por toda parte, sensores de temperatura, todo o staff de mascaras…

Uma coisa curiosa (antes falaria engracada, mas fui tao rechassado por dizer isso que troquei por curioso) da primeira vez que vim pra ca vi uma capa marrom-cinzenta sobre a cidade, era a estacao da seca, seca mesmo nem uma chuvinha sequer. Desta vez chego no comeco da estacao “molhada”, e a cidade me parece mais amistosa.

Mesmo esquema, passo sem dificuldades pela aduana (basta dizer para onde esta indo, eu disse khao san road ( uma especie de “passarela do alcool” tailandesa) compro um novo sim card e uma singha beer, a cerveja local mais famosa (no filme Apocalipse now eles soh bebem desta), eu particularmente prefiro outra chamada Chang, mais forte e barata, 7graus de teor alcoolico. Quando saio do aeroporto uma coisa estrnhamente boa se sucede: relembro, na hora, do cheiro do ar da tailandia. Nao sei descrever, mas sei que eh tao unico que saberia distinguir ate de olhos fechados.Vou a procura dos taxis e parto para a famigerada khao san.

Khao San road

Khao san by night

Imagine uma unica rua com seus 300metros, abarrotadas de lojas, bares e barracas de rua que vendem de tudo, de dreadlocks falsos a carteirinhas de estudantes ou de imprensa freelancer, passando por roupas, cds, bijuterias e comidas, das mais estranhas e variadas. A mais comum eh o padthai, uma “mistura” que vai alho, broto de feijao, macarrao de arroz, repolho, cebolinha, as vezes ovo ou carne de porco ou galinha e pimento, bastante por sinal.

Voltando a minha analogia, quem ja foi ate Porto seguro e conheceu a passarela do alcool pode imaginar como eh aqui: muitos, mas muitos turistas mesmo, em khao san eles sao maioria avalassadora. Eu, particularmente, como com a passarela do alcool bahiana, detesto khao san, mas era somente isso que conhecia ate entao. Mas nao vou me adiantar agora, como ja disse antes, estou atrasado e ja vivi muito mais do que o que estao lendo agora…

Competicao pelo som mais alto, ska, pop, muita musica eletronica, trance e house principalmente. Quem se hospeda nas redondezas precisa saber que ja ouvir o barulho ate as 4, 5 da manha, todos os dias de segunda a segunda, 365 dias por ano.

Quando cheguei, primeira coisa que fui atras foi do pequeno e mais calmo beco das redondezas, onde havia me hospedado no ano passado. Achei-o tao facil que quase me senti um local, turista-local-de-khao-san (ught!). enfim, tentei ficar na mesma guesthouse do ultimo ano mas nao foi possivel, soh havia dormitories e eu estava cheio de equipamentos, camera fotografica, computador… preferi um quarto sozinho. Paguei caro por isso, 150 bath (algo como 5 dolares). O quarto era um verdadeiro mooch, e a cama…. bem, nao falemos da cama, basta pensar que decide dormer bebado sempre para poder dormer confortavel. Mas a “guest” era otima, descubro depois que era a guesthouse preferida pelos japoneses que visitam Bangkok.

beco da khao san

Entao a cena era a seguinte: acima quartos, abaixo um salao de beleza da dona da “guest” e sua familia, um bando de japoneses, eu e um escoces, Alex.

Alex vivia em Bangkok havia 5 anos, casou-se com uma bela tailandesa, filha da dona do estabelecimento e la viva muito bem, lazy como ele mesmo diria.

Na primeira noite a primeira balada, me chega um senhor diretamente de Osaka (se fala Oossaka) com 2 garrafas tetrapak de saque de 2 litros cada. Ja sabe o que ocorreu neh? Eu nao, nao me lembro de muita coisa, soh sei que dormi muito bem.

A segunda noite tambem dormi muito bem. Foi aniversario do Alex, o tal escoces, e ele nos brindos seu cumpleano com duas garrafas de wiskie. Neste momento vi uma coisa bem doida, tipico dos tailandeses: eles pegaram aquele otimo wiskie, colocaram em um pequeno balde (muito comum aqui) cheio de gelo e misturaram pepsi e soda (agua com gas), varios canudos, e passavam de pessoa em pessoa que bebia um belo gole cada. Eu, em meu saudosismo da terrinha, havia levado uma latinha de nosso guarana (nao direi a marca mas voces certamente sabem) e o dei ao alex pelo seu aniversario. Ele, muito feliz, agradeceu, abriu a latinha que viajou 16.000km ate ele e jogou tudo na gororoba de wiskie com soda e pepsi. Juro que tentei comtrolar minha expressao de espanto, mas acho que nao consegui muito. Va entender…

Cerveja com gelo

Comunissimo aqui, nos la tomamos cerveja com amendoins ou outros petiscos, aqui eles botam gelo na cerveja. Confesso que no comeco me senti ultrajado, mas a cerveja realmente esquenta muito rapido, algo como 3,4 minutos no maximo e ela ja esta a temperatura ambiente, e o ambiente aqui por volta dos 35 graus, as 2 da manha…

Hoje adoro cerveja com gelo, alias tomo uma agorinha enquanto escrevo isso a voces.

Pimenta

comidinha na rua

Esquecam os bahianos, o povo daqui eh que realmente gosta de pimenta, nem bebezinho de 4 meses de vida escapa disto, e nao eh brincadeira, eu vi. Ontem mesmo fui dar uma de local me meti pimenta como eles fazem por aqui em minha sopa de macarrao, porco, franco, embutido e uma folha que acho ser de batata. Suei, chorei, tossi… o pessoal a minha volta deve ter se divertido…

Ja estava de saco cheio daqui. Iria embora dentro de dois dias. Mas o mais maluco, a verdadeira Bangkok que queria tanto saber se existia ainda se mostraria a mim, ainda estava somente no comeco…

Comecando… tarde. – Sao paulo-Zurich

May 29, 2009

Nao vou dizer aqui os propositos de minha demora em iniciar este diario. Mas vou comecar pelo Brasil.

Domingo de manha, dia da partida – a balada mal terminara e eu ja estava (ja?) fazendo minha mala. Bebado ainda, arrumei tudo e me preparei pra viagem. Tinha no bolso 300 dolares para passer 5 dias na Europa e seis meses na Asia, meu pai dizendo “voce eh maluco! Vai ser barrado na aduana! Quero soh ver!” mas eu tenho o santo forte, pensava eu. Realmente tenho, ou realmente o melhor lugar para se entrar na Europa seja via Suica. Povo gente fina aquele. Fiz minha barba, vesti uma roupa bonitinha e parti.

ZURICH

Centro historico

Centro historico

A aduana foi simples e rapida, aquela velha pergunta: what u gonna do in swiss? Im in transit, going to Thailand. Sem problemas, nao me pediu mais nada, carimbou-me e estava dentro. Se fosse um imigrante, nunca mais seria achado. Mas nao era, e o pior, estava duro.

Cheguei aqui na cara e na coragem, sem saber muito bem onde iria ficar, Marina, minha pretinha, me indicou uma amiga que morava por aqui, “ vc lembra dela?” nao sei, nao lembrava.

Cheguei aqui sem nenhum contato, comprei um chip pre pago , consegui seu telefone e liguei pra ela. Quando ouvi sua voz a reconheci na hora. Uma grande amiga minha. Em 5 min ja me sentia em casa.

Dica importante: cellular desbloqueado. Leve um e compre um sim card pre pago. Muito barato e realmente vale a pena. Foi o que eu fiz.

Cheguei em Zurich e tratei de achai a tal amiga.

“ Alo, suzana?” “Oi, voce eh o thiago?” (eu conhecia muito aquela voz) “ sou sim, onde esta? Vamos nos encontrar” marcamos na estacao central. Quando a vi foi incrivel! Era a Zu, amiga de grandes baladas em Sao Paulo.  A melhor coisa eh ter conhecidos numa cidade da europa. Quando eh amigo entao… perfeito!

Qualquer cidade do mundo eh muito melhor quando se conhece pessoas que vivem nela, somente deste modo voce conhece a cidade real, nao a cidade dos turistas.

Zurich eh para mim uma otima cidade, nada enfadonha como me disseram antes, eh um lugar onde facilmente viveria…

Restaurantes e cafes otimos. Nao pude ver muito da balada pois estava a chover demais por aqui , era um chove nao molha que durava 10 min. 5 vezes ao dia… achei um pouco paulista esse clima, eles me disseram que isso nao era nada comum por aqui.

A primevera esta entrando, o verao chegaria logo mais,

Nao fiz nenhum museu por aqui. Ano passado entrei em tantos que dessa vez nao quis entrar em nenhum. Chega de museus, quem gosta deles sao coisas velhas…

E eu, nos meus 30 aninhos, nao quis outra coisa senao pegar uma bike e sair me perdendo por ai.

Zurich – Primeira semana

zurich

Coisas engracadas daqui:

As pessoas sao muito corretas, os homens, segundo me contou Zu, sao suaves, ate demais para o meu conceito de suave. Ela me conta que o flerte daqui eh o seguinte: duas semanas se olhando para entao convidar pra sair. Somente depois de 3 saidas (dates) eh que rola alguma coisa a mais, como maos dadas ou ate um beijo… estranho…..

Eh a cidade preferida pelas celebridades pois ninguem os para na rua, nao existe assedio, aqui eles ficam tranquilos… muitos moram ou tem casas aqui. Ninguem liga, ou finge nao ligar, celebridade sao pessoas, virao celebridades somente com hora marcada.

Causos

Um cantor famoso morando em

Bern (a capital) eh visto todo dia na rua, no supermercado e ninguem fala nada. Quando entao eh marcada uma noite de autografos, o dito local fica lotado, abarrotado de pessoas loucas para encostar e ou chegar perto dele…

Realmente , a suica eh um dos paises em que mais me senti confortavel na Europa.

Tem tudo de bom das cidades grandes e das pequenas. Se quer paz, voce encontra facil, se quer balada louca? Eh balada louca louca eh um pouco dificil, mas balada sempre rola, daquele jeito suico, ate as 3 da manha….

Kebabs – coisa boa da Europa, na duvida e com pouco dinheiro? procure qualquer lojinha paquistanesa ou similar, os kebabs sao otimos, no Brasil sao de churrasco grego, mas aqui eles sao realmente gostosos, nada a ver com os dai.

Lojinha jamaicana- Me perdendo de bicicleta achei uma lojinha de produtos da jamaica, sentei-me com eles e ficamos a falar sobre qualquer coisa, o bom de ser brasileiro eh que es sempre bem recebido por aqui, principalmente pelos imigrantes…

Restaurantes italianos- muitos e muito bons, a Zu trabalha em um destes chama-se Italia, este eu recomendo, fica proximo a rua das putas, mas ainda assim, na suica, a rua das putas eh muito correta e limpinha…. suica eh sempre suica…

Queijos queijos e queijos- como este bem eh barato aqui… mais barato comprar ementhal do que cigarros, que aqui custam em torno de 7 francos (14 reais)

baladinha transada- putz , me esqueci o nome do dito local, eh um bar-cinema numa praca daqui de Zurich, fim da tarde toda a juventude descolada se junta para beber e jogar conversa fora, ou dentro. Ambiente muito gostoso. Se nao me engano se chama Kinox…

Fiquei 5 dias por la, quase fico mais mas achei melhor nao torrar toda minha grana em uma so semana… a Zu tem uma filha, Lara, de 4 anos. ficamos super amigos e ela me convidou para seu aniversario, em novembro, somente se levasse minha filha, sera que consigo? tomara…

Eu e Lara

Cheguei numa segunda, na quinta ja estava partindo, no aeroporto conheci um documentarista boliviano, conversamos rapidamente e ele me convidou para fazer documentarios em sua cidade quando voltasse para a sulamerica. Bom, ne?  fumei um monte de cigarros na sala de embarque (havia um fumodromo ao lado do meu portao de embarque) entrei no aviao, dormi longamente e acordei em bangkok.

Nao sei oque as pessoas dizem, eu adoro a Suica…